Divine Seeders



cropped-copy-cover3.jpg Carnival, Rio de Janeiro, Brazil. In dealing with the backstage of a samba school and the construction phases of his show, the images selected for this exhibition interact with each other in unexpected and surprising , uncorking new perspectives for the understanding of an event highlighting the ephemeral and the load work and art that contributes to a splendor that show for a few minutes during the carnival, but images of Valeria perpetuate in our retinas.

Oxalá acima de tudo, Mangueira acima de todas

By on 08/03/2019

Oxalá acima de tudo, Mangueira acima de todas! 

Os filhos fiéis comemoram: a Nação Verde e Rosa é campeã.

Texto e fotos de Valéria del Cueto

Que carnaval foi esse! O desfile das escolas de samba do grupo especial, no sambódromo carioca, na Marquês de Sapucaí, é um resumo desse caldeirão chamado Brasil. Enquanto o país patina na crise e a falta de recursos é geral, lá o produto mais distribuído foi dinheiro. De corruptos, vendidos e ladrões. Na São Clemente, Paraíso do Tuiuti e Imperatriz. Além de cédulas também voaram pelo espaço aéreo da Passarela do Samba, o Padim Padre Cícero, na União da Ilha, e os emojis na Grande Rio. Nada que fizesse subir, aos céus do sábado das campeãs, nenhuma das citadas.

              Na montagem, enquanto a Fenix carrega no bico o símbolo da vice-campeã Viradouro, Padre Cícero e emogis passeiam pelo espaço aéreo do setor 1.

Sobe a Estácio de Sá. Junto com o Império Serrano, a Imperatriz foi rebaixada. A escola mais injustiçada, novamente, foi a São Clemente. Seu desfile delicioso deu o recado reeditando do enredo “O Samba, sambou”. “Luzes câmeras e som, mil artistas na Sapucaí…”

 

Na São Clemente, recado direto para o prefeito Crivella.

Esse ano, a TV Brasil não transmitirá o desfile das campeãs. E é melhor assim. Seria difícil não enquadrar os protestos que, certamente, aparecerão depois da performance presidencial em suas postagens carnavalescas. O que por um lado pode ser ruim, por outro, garante que as redes sociais vão bombar na noite de sábado, o desfile começa às 21:15h.

Quem abre a festa é a Mocidade Independente de Padre Miguel. A escola cai dentro do tema proposto “Eu sou o Tempo. Tempo é Vida”. No abre alas com sua mítica estrela, Elza Soares, será festejada no enredo de 2020. O futuro já começou em Padre Miguel.

A Estrela da Mocidade aponta para o futuro: Elza Soares vai brilhar em 2020

A seguir vem o quinto colocado, Salgueiro, com “Xangô”. As dificuldades, capitaneadas pela disputa à presidência da escola, se refletiram na apresentação. Embalado por um ótimo samba, o casal de porta-bandeira e mestre sala, Marcella Alves e Sidcley, retornou ao posto, depois de afastado pela antiga diretoria.

Marcella Alves, Sidcley e o pavilhão salgueirense.

Salgueiro canta Xangô, composição de carro.

O destaque do tripé em que vinha Djalma Sabiá, último remanescente do grupo de fundadores e presidente de honra do Salgueiro, passou mal e desapareceu no meio de plumas e adereços. Foi retirado da pista pelos bombeiros, logo depois da torre de TV.

A Portela trovejou, mas não relampejou cantando Clara Nunes. A azul e branco perdeu pontos em alegorias e adereços, bateria, comissão de frente e evolução. A ala desenhada por Jean PaulGaultier, que não pode comparecer, contou com personalidades francesas e foi inspirada em marinheiros bleu, blanc, rouge.

Ala da Portela, efeito e movimento na pista

Já a Vila Isabel de Martinho, num luxo só para cantar as belezas da Petrópolis Imperial, terceira colocada, perdeu décimos em quesitos em que sempre foi forte: enredo, bateria e samba.

Portões de Petrópolis, cenário imperial brasileiro

Carro alegórico da Vila, tecnologia de Parintins

Destaque da Vila

O que não foi bom para a escola do bairro de Noel ano passado, caiu como uma luva na Viradouro. A letra do samba já cantava “O brilho no olhar, voltou…” Vinda do Acesso, a representante de Niterói deu uma incrível arrancada com a chegada de Paulo Barros, alcançando o vice-campeonato com “ViraViradouro”.

Componentes realizados: do acesso ao vice-campeonato da escola de Niterói.

O samba é capaz de coisas incríveis. O governador Wilson Witzel, não estava na pista no desfile do Paraíso do Tuiuti, quinta escola a desfilar na segunda feira, falando do bode eleito vereador. Mas aquele que, um dia, foi fotografado comemorando com correligionários que rasgaram a placa de Marielle Franco, não fez forfait na hora de beijar o pavilhão verde e rosa.

O governador do Rio de Janeiro beija(?) a bandeira da Mangueira, a escola que trouxe Marielle Franco no enredo.

A passagem da Mangueira foi avassaladora, com o enredo “Histórias pra ninar gente grande”, do carnavalesco Leandro Vieira (Marielle é citada no samba), falando da história que a história não conta. Incluindo a dos culpados pelo assassinato da vereadora, há praticamente um ano.

Os filhos fiéis comemoram: a Nação Verde e Rosa é campeã.

Não foi uma conquista fácil. A escolha do enredo, a disputa apertada do samba, o trabalho heroico da direção ao unir a comunidade enquanto a agremiação era achincalhada, com poder municipal a responsabilizando pela perda de patrocínios. E a comunidade lá, na quadra, na roda. Cantando nos ensaios como se não houvesse amanhã e driblando os obstáculos. No barracão, a falta de recursos. Leandro Vieira e sua equipe se virando. Foi um processo complicado. E o povo lá!

Squel Jorgea, Matheus Olivério e o pavilhão verde e rosa.

Ao pisar na Sapucaí a verde e rosa vai cheia de moral, cantando de peito aberto pelo direito de ser e dizer. Livre. Da ignorância, do preconceito, da tentativa vã de calar a voz do povo, do samba. De transformar nossa festa na mais reles pornografia.

Comemorando 60 anos, a bateria da Mangueira com mestre Wesley gabaritou. 10 em todos os módulos.

A Mangueira é história e faz história no palco que lhe cabe. A passarela do povo. Criada há 35 anos por Oscar, Darcy e Brizola. Palco plural de cultura popular, resistência e, sim, onde a voz do samba se faz ouvida. Do nosso chão, para mundo inteiro.

Evelyn Bastos, a Rainha de Bateria, vibra.

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “É carnaval”, do SEM   FIM…  delcueto.wordpress.com

Ordem dos desfiles:
Mocidade Independente
Salgueiro
Portela
Vila Isabel
Viradouro
Mangueira

Clique AQUI para acessar o ensaio fotográfico e os vídeos da pagina Na luta é que a gente se encontra,  Mangueira Campeã

  

Diagramação Luiz Márcio – Gênio a quem agradeço, junto com a direção do Diário de Cuiabá!

 

Na luta é que a gente se encontra! Mangueira campeã 2019

By on 06/03/2019

Na luta é que a gente se encontra! Mangueira campeã 2019 Entenderam o recado? Clique AQUI para acessar o ensaio fotográfico Mangueira campeã do carnaval 2019 (ainda não está completo) Ensaio fotográfico e registros no canal del Cueto, no youtube de (C)2019

Quem samba sabe, não está fácil pra ninguém…

By on 01/03/2019

  Quem samba sabe, não está fácil pra ninguém… Texto e fotos de Valéria del Cueto Ano complicado para o povo do samba, alma e coração de uma das expressões culturais mais famosas do planeta, o carnaval. Como se não bastassem

Mangueira carnaval 2019 ensaio técnico na Sapucaí

By on 20/02/2019

Mangueira carnaval 2019 ensaio técnico A Mangueira foi a segunda escola a realizar seu ensaio técnico no domingo, 17 de fevereiro de 2019, na Passarela do Samba Darcy Ribeiro, o sambódromo carioca, na Marquês de Sapucaí, centro do Rio de

Vila Isabel carnaval 2019 ensaio técnico

By on 16/02/2019

Vila Isabel carnaval 2019 ensaio técnico Coube a Unidos de Vila Isabel, que tratá o enredo “Em nome do pai, do filho e dos santos – a Vila canta a cidade de Pedro”, desenvolvido pelo carnavalesco Edson Pereira, abrir os

Mocidade Independente carnaval 2019 ensaio técnico

By on 16/02/2019

Mocidade Independente carnaval 2019 ensaio técnico A escola de samba de Padre Miguel foi a segunda agremiação a fazer seu ensaio técnico na Marquês de Sapucaí no domingo, 10 de fevereiro de 2019. Seu enredo é “Eu sou o Tempo.

Unidos da Tijuca 2019 ensaio técnico

By on 15/02/2019

  Unidos da Tijuca 2019 ensaio técnico A escola de samba do Borel, com o enredo “Cada macaco no seu galho.  Ó, meu Pai,me dê o pão que eu não morro de fome!”, dos carnavalescos Annik Salmon, Fran Sérgio, Hélcio Paim

Mangueira 2019 ensaio de rua janeiro

By on 05/02/2019

Mangueira 2019 ensaio na Rua Nova Quem demorou fui eu. Mas cheguei na Rua Nova na quinta-feira 31 de janeiro de 2019. O espaço próxima ao Morro da Mangueira, onde a diretoria, comunidade e ritmistas participavam do ensaio de rua

CarnevaleRio de Valéria del Cueto @delcueto