Viewing: crônica

Nunca mais, crônica do carnaval inesperado

By on 03/01/2022

Nunca mais Texto e foto de Valéria del Cueto Daquela altura tinha uma visão geral do ambiente em que estava. Amplo e cheio de coisas. Em primeiro plano via as costas da cadeira ergonômica (sinal de que quem a ocupava

A folia sempre alcança, crônica de um não carnaval

By on 14/12/2021

A folia sempre alcança Texto e foto de Valéria del Cueto O ar está bem pesado e já se escuta o barulho da chuva. Primeiro foram as trovoadas que chegaram anunciando o que virá daqui a pouco. Melhor assim, ninguém se

Crônica de um quase carnaval

By on 19/02/2020

Crônica de um quase carnaval Texto e foto de Valéria del Cueto Demorou a hora de falar do carnaval. Foram tantos os percalços nessa temporada que o ano passou enquanto esperávamos no que iam dar. Teve virada e desvirada de mesa

Na luta é que a gente se encontra

By on 05/10/2018

Na luta é que a gente se encontra Texto e foto de Valéria del Cueto para o Alexandre… Dias antes do incêndio do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, estive num lugar que, por analogia, me fez sentir ainda mais

Será por que? Crônica pós carnavalesca

By on 01/03/2018

Será por que? Texto e foto de Valéria del Cueto Quando a gente deixa de mandar no tempo, tem que dar tempo ao tempo. Entre o “vou ali” e o “estou chegando” que quase nunca acontece, os fatos e acontecimentos

Ninguém me tira

By on 02/02/2018

Ninguém me tira Texto e fotos de Valéria del Cueto Passando rapidinho. Que nem o sol andou fazendo nesse estranho verão carioca. Vai e volta entre nuvens e chuvas do céu do Rio de Janeiro. Bem de acordo com o(s)humor(es)

Na moral

By on 17/07/2017

Na moral Texto e fotos de Valéria del Cueto Deixar Mato Grosso depois de seis anos de ausência não foi fácil. Mil motivos para estender a permanência e apenas um para voltar. Difícil decisão… O pouco tempo na Chapada dos Guimarães

(Ainda) é carnaval

By on 27/03/2017

(Ainda) é carnaval Texto e foto de Valéria del Cueto Eita carnaval 2017 que não acaba… Pulei duas semanas de escrivinhação sem um grande estímulo pra sair da vida de foliã já que a realidade não está fácil pra ninguém.

A torre (ou quem bejô, bejô…)

By on 16/08/2015

 A torre (ou quem “bejô”, “bejô”) Texto e foto de Valéria del Cueto Ela me encarava e eu olhava pra ela. Me desafiava. Meio de banda. Esbarramo-nos cada uma das muitas vezes que cruzava a avenida. Depois do segundo recuo de bateria antes

Bom dia, Uruguaiana

By on 25/03/2009

Texto Valéria del Cueto Continuo por aqui, raptada por minhas primas e hospedada na casa de seus pais, meus tios. O carnaval passou, a Ilha do Marduque é bi-campeã, a vida está voltando ao normal e eu me divertindo horrores!

CarnevaleRio de Valéria del Cueto @delcueto